A fita e a dobra: análise das esculturas de Amilcar de Castro e Franz Weissmann no Neoconcretismo



Tanto Amílcar de Castro quanto Franz Weissmann partem da estrutura planar rumo a experiência escultórica. Articulações sobre um raciocínio estrutural que leva a uma compreensão do espaço como o próprio ato de espacializar.

Weissmann apresenta uma clara vocação a uma demonstração livre dessa fluência geométrica. Suas esculturas partem do plano na fluidez de uma fita. Enquanto podemos compreender a obra de Amílcar principalmente a partir de suas esculturas de corte e dobra, em que o auto envolvimento do trabalho acompanha de certa forma uma inércia (não obstante, provinda de seu peso existencial), Weissmann opta pelo movimento, o facetado movimento de uma fita. As diferenças e os diálogos entre esses dois artistas na conquista do espaço.


A aula será no dia 15/10, 20 horas, plataforma Zoom.

Mande um e-mail para: revistaapalavrasolta@gmail.com


Flávio Morgado é poeta, crítico de arte e editora da Revista A Palavra Solta.

36 visualizações