Um mês de preocupações éticas & morais

por Kya Mesquita



Se tivesse que convencer alguém (ou várias pessoas) a andar junto de você, de suas observações e convicções de mundo, como você iria se aproximar dessa pessoa? O senso político de não querer ‘ficar mal com ninguém’ pode não ser muito eficaz nesse período, a inflamação das expectativas causa reações não tão simpáticas, mas ao menos serão sinceras. Verifique se não tem nenhum gás vazando para não se surpreender com qualquer explosão que venha a acontecer.

Às vezes, na correria do convívio (ou do autocentramento) acreditamos que todos estão alinhados com nossos pensamentos, anseios e necessidades. Mas, basta um pouco mais de atenção (ou de conversa) para percebermos que não, nem quem mora ou vive 24h com a gente pensa e concorda 100% com a nossa versão da vida.

É importante compreender a que nível as reações alheias mudam suas decisões, você iria para esse mesmo destino, mesmo que estivesse sozinha? É sobre saber o momento para agir.

Nesse ciclo de 4 semanas, um céu espelhado (cheio de oposições) em diferenças conduz a dança do convencimento, não por acaso, atualmente conversamos sobre eleger pessoas. O problema é quando somos pessoais demais em decisões que precisam abranger bem mais do que a nossa forma de ver e viver no mundo. O dilema será o desafio de conduzir as situações de modo racional, mesmo quando nem tudo tem explicação e entendimento mental, principalmente considerando nossos impulsos de sobrevivência coletiva.

Além do que é pessoal para cada um, outubro de 2020 é um mês para flertar com a aprovação e desaprovação social e também com o desequilíbrio das nossas certezas. Às vezes, podemos discordar de alguém com quem já nos identificamos muito algum dia, apenas pelo instinto de defender outras identificações que não são compartilhadas por essa pessoa e, nessa questão de sobrevivência, criamos a desarmonia.

#FalandoAstrologuês

Enquanto o Sol passa por Libra e Mercúrio se comunica por Escorpião, é difícil esquecer algo que foi dito ou entendido nesse período. As conversas são para saber se é 8 ou 80, seja para convencer ou para transformar mentalmente, a palavra manipulação precisa ser ressignificada, nem sempre é sobre o contexto psicológico. Nem sempre é para ‘o mal’, como entendemos a palavra de modo moralizante. Uma mãe que quer ensinar seus filhos a cooperarem entre si, pode manipular uma situação ou uma conversa para chegar ao seu objetivo.

Se o medo da rejeição ou desaprovação aparece quando tenho que discordar das pessoas, é sinal de que o espelho que busco nas relações sociais está me controlando pelos reflexos. Esta é uma bela metáfora sobre as redes sociais e as reações que esperamos de nossas bolhas.


Alguns podem achar que isso é comportamento de jovem – “Só adolescentes buscam a aprovação no meio em que convivem” – mas não são só os menos experientes que se guiam pelo medo da desaprovação, adultos fazem isso o tempo todo no trabalho, dentro de seus ciclos de amizades e principalmente dentro de seus sistemas familiares de origem.

A Lua Cheia do dia 1º expõe a imaturidade que precisamos encarar em nós, mostra os resultados de ir pelo instinto de proteger o ‘desejo individual’ antes de qualquer coisa. A explosão emocional de quem não quer saber de boas maneiras a essa altura não é mais uma novela da vida, é um filme de ação em que o herói e o vilão estão afoitos para concluir o agradável e o desagradável da trama. O que é belo nas nossas atitudes e princípios pode até ajudar, mas não disfarça aquilo que é feio.

ÉTICA


Confesso amargurado, envelheci precocemente

São tantos os conceitos que não compreendo mais

Valores que norteavam o procedimento humano

Perderam-se sem sentido no meio dos mortais

Vejo a ÉTICA desfigurada pelo engodo traiçoeiro

Vejo homens que se prestam a servis interesseiros

Vejo pragas que se alastram e embaçam a visão

Em condutas vergonhosas, lamentável aberração.

Vejo aqueles que ponderam de forma tão sutil

Preparando argumentos para um tropeço vil

Que por vezes escancara as raias do absurdo

Que não resta outra saída: seja cego, surdo, mudo.

Mas ainda temos loucos de loucura tão pungente

Que acreditam ser possível salvar a nossa mente

Da tortura tão em voga sem perder a condição

De ser gente decente sem de a ÉTICA abrir mão.

Por isso sempre digo, já não passo de um louco

Acredito nos motivos que movem estes poucos

Que colocam atrevidos, a ÉTICA por condição

Para erguer toda decência - não há outra solução.

Agamenon Almeida, 2007

Sopa de conceitos do mês: conciliação; máscaras sociais; modelos de relacionamento; investigações; inquéritos; justiça ética; mediação de tretas; comparação ou manipulação popular; identificação de problemas antes não percebidos; negociação de interesses pessoais com interesses sociais; longos debates; preconceitos estéticos e culturais; guerra política ou trégua.

30 visualizações