capa2.jpg

Três poemas de Roberto Bolaño

traduzidos por Italo Diblasi



Disse o saltimbanco do Passeio: Este é o Deserto.

É aqui onde as amantes judias Abandonam seus amantes.

E recordo que me amastes e me odiastes E rapidamente me vi sozinho no Deserto.

Disse o saltimbanco: este é o Deserto. O lugar de onde se fazem os poemas.

Meu país.



_____________________________



Dice el saltimbanqui de las Ramblas: Este es el Desierto.

Es aquí donde las amantes judías Dejan a sus amantes.

Y recuerdo que me amaste y odiaste luego me encontré solo en el Desierto.

Dice el Saltimbanqui: éste es el Desierto. El lugar donde se hacen los poemas.

Mi país.





Os detetives gelados

Sonhei com detetives gelados, detetives latino-americanos que tentavam manter os olhos abertos no meio do sonho Sonhei com crimes horríveis e com tipos cuidadosos que procuravam não pisar nas poças de sangue e ao mesmo tempo abarcar com um só olhar a cena do crime. Sonhei com detetives perdidos no espelho convexo dos Arnolfini: nossa época, nossas perspectivas nossos modelos do Espanto.


________________________________


Los detectives helados


Soñé con detectives helados, detectives latinoamericanos que intentaban mantener los ojos abiertos en medio del sueño. Soñé con crímenes horribles Y con tipos cuidadosos que procuraban no pisar los charcos de sangre y al mismo tiempo abarcar con una sola mirada el escenario del crimen. Soñé con detectives perdidos en el espejo convexo de los Arnolfini: nuestra época, nuestras perspectivas, nuestros modelos del Espanto.






Ninguém te manda cartas agora Debaixo do farol no entardecer os lábios partidos pelo vento Na direção Leste fazem a revolução Um gato Dorme entre teus braços Às vezes és imensamente feliz.


______________________________



Nadie te manda cartas ahora Debajo del faro en el atardecer los labios partidos por el viento Hacia el Este hacen la revolución Un gato duerme entre tus brazos A veces eres inmensamente feliz.





ROBERTO BOLAÑO nasceu em 1953, na cidade de Santiago, Chile, e é considerado um dos grandes nomes da literatura mundial. Passou a adolescência no México e voltou ao seu país pouco antes do golpe que depôs Salvador Allende. Em 1977, instalou-se na Espanha, onde começou sua carreira literária. Do autor, a Companhia das Letras publicou Os detetives selvagens, 2666, Estrela distante e Chamadas telefônicas, entre outros. Morreu de insuficiência hepática, em Barcelona, na Espanha, em 2003.



Italo Diblasi nasceu em 1988, no Rio de Janeiro. Publicou "O limite da navalha" (Garupa Edições, 2016), assina a coluna de Literatura desta revista e atualmente escreve seu segundo livro, "A morte não é magrinha".


83 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo